JAMES E EU


Por Lúcia Udemezue
Fotos Rafael Henti
FEVEREIRO/2011



Lembro-me perfeitamente da primeira vez que ouvi o vocal aveludado e grave do cantor norte-americano José James. Foi em de janeiro de 2009, no Clube Berlin, em São Paulo, em uma das deliciosas noites de terça-feira que a casa dedica ao Jazz.


Entre uma música e outra, o sempre impecável set list do Dj Waltinho Abud, me surpreendeu com um som ímpar, que me fez levantar da cadeira, ir ao seu encontro com um pedaço de guardanapo e uma caneta nas mãos para anotar o nome do cantor que tanto havia mexido comigo. Desde então não parei de pesquisar e acompanhar, virtualmente, a carreira do talentoso James.


Quem o ouve pela primeira vez tende a imaginá-lo como os grandes mestres do jazz norte-americano da década de 50: um senhor de estilo clássico, trajando um impecável terno preto e sentado à beira de um piano. Nada disso. José James é jovem e dono de uma musicalidade fortemente influenciada pela cultura hip hop (assim como seu estilo de se vestir), pelo soul e o acid jazz.Não há como negar que o músico está tendo um papel fundamental na difusão do jazz pelo mundo, desmistificando o caráter “erudito e elitista” que, há décadas rotulam o ritmo.

Graças ao seu potencial em mesclar estilos e o constante diálogo que vem travando com a cultura hip hop, José James tem ampliado as possibilidades sonoras de milhares de pessoas até então avessas à cultura jazzística, especialmente fora dos Estados Unidos.


Em outubro de 2010, o músico esteve pela segunda vez em São Paulo (a primeira foi em 2008), para participar do Nublu Jazz Festival, onde realizou duas apresentações nas unidades Santo André e Pompéia da rede Sesc.Acompanhado de uma banda de peso, formada por Marc Cary (piano), Christopher Smith (baixo) e Adam Jackson (bateria), James fez dois shows incríveis, enlouquecendo seus fãs e surpreendendo aqueles que ainda não conheciam seu trabalho.


Sua vinda ao Brasil foi um grande presente pra mim e para os amantes deste novo jazz, que tem na talentosa cantora norte-americana Esperanza Spalding um de seus principais representantes.A cereja do bolo de toda esta história foi o rápido encontro que tive com James logo após o show realizado no ABC paulista, onde o músico concedeu uma entrevista exclusiva à revista OM2ºATO. Infelizmente, é verdade, a “cereja” do bolo voou com sua banda de volta para os states, mas o bolo ficou, e agora o dividimos com você!



OM2ºATO - Como você se sente em São Paulo pela segunda vez, sentiu alguma diferença na recepção do seu trabalho?
José James -
Na primeira vez que vim a São Paulo o álbum The Dreamer tinha acabado de ser lançado e ainda não havia feito uma grande turnê. A quantidade de pessoas é a mesma com o mesmo amor e carinho. Vi jovens de boné como eu, com estilo claro da cultura hip hop, casais, mulheres, crianças...há uma mistura de gerações na platéia e hoje, dois anos depois da primeira vez que estive aqui, me sinto muito mais confortável e feliz com a recepção do trabalho.


OM2ºATO - Como é a aceitação da sua música “mais contemporânea e jovem” dentro da cena musical do jazz?
JJ -
O jazz permeia a cultura americana. O jazz como um estilo musical tradicional norte americano é a base fundamental e está presente para todas as gerações.


OM2ºATO - Como você define seu estilo de música?
JJ -
Eu e toda banda viemos do jazz, mas talvez o que fazemos não seja um “jazz” propriamente dito. Existem várias contribuições de diferentes estilos neste novo trabalho (Blackmagic), por exemplo. O jazz é uma música negra e nós fazemos um trabalho com várias nuances e colaborações e com liberdade de experimentar.


OM2ºATO - Em seu primeiro álbum The Dreamer (2008), você compôs uma letra que leva o nome do disco e que é uma homenagem a Martin Luther King. Qual é o seu posicionamento político enquanto músico negro e qual foi a intenção ao escrever a letra desta música?
JJ -
A letra da música The Dreamer foi escrita para todas as comunidades étnicas. É um posicionamento político sobre relações sociais que para mim devem ser igualitárias. Ter um presidente negro me fez sentir muito feliz. De alguma forma levo e represento direta e indiretamente os Estados Unidos através da música que canto.





DISCOGRAFIA

The Dreamer, 2008
Blackmagic, 2010



JOSE JAMES

myspace.com/josejamesquartet
facebook.com/josejamesmusic



NOTAS DE RODAPÉ

“...a reação das mulheres nos shows, que inevitavelmente se renderam ao charme do cantor, contrastava com a perplexidade dos homens na platéia, pois é inegável que José James tem uma grandiosa presença de palco".


“Segurando uma taça de vinho tinto, com todo seu charme e elegância, o cantor, assim como em suas apresentações, tornou o clima bem sensual - confesso que não foi fácil entrevistá-lo (sic)”.

http://omenelick2ato.com/files/gimgs/95_jose-james.jpg
RAFAEL HENRI
flickr.com/photos/rafahenri
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/95_jose-james-2.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/95_jose-james-1.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/95_james-thedreamer-site.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/95_james-blackmagic-site.jpg