COM OS PÉS NO PEITO DO MUNDO



TEXTO NAYARA DE DEUS
FOTOS MANDELACREW
SETEMBRO/ 2014



Batuk Freak, seu primeiro álbum, lançado em abril de 2013, chegou definitivamente com os pés no peito do mundo. Produzido entre os anos de 2009 e 2013, por Nave Beats - beatmaker responsável por faixas de rappers como Marcelo D2, Emicida e Kamau – o disco foi disponibilizado gratuitamente apenas em formato digital nas redes sociais. Somente na semana do lançamento foram mais de 22 mil downloads conquistados por meio de uma estratégia de mestre: o internauta que quisesse adquirir as 12 faixas cantadas pela bela precisava “pagar” pelo download com um único post no Twitter ou, no Facebook.


Desde então, Batuk Freak vem ganhando continentes com sua bem sucedida mistura de samplers, instrumentação orgânica e batidas digitais ultra-dançantes, que impressionam pelo acento forte da música de matriz afro-brasileira. A bem sucedida aceitação do trabalho perante público e crítica rendeu à artista, em curtíssimo espaço de tempo, o aclamado Prêmio Multishow, além de destaques em revistas e jornais importantes como o Le Monde, Liberation e a revista Rolling Stone que salientou em suas páginas que o mundo precisa saber quem ela é.


E ela conseguiu! No Brasil, suas letras já são cantadas de norte a sul do país. O problema está sendo lá na gringa. Em shows recentes na França e Inglaterra, Karol descobriu que está travando a língua da rapaziada.


“Foi incrível descobrir que muita gente já conhecia o Batuk Freak lá. Eles não fazem ideia do que eu canto, mas foi muito legal ver as pessoas tentando acompanhar as letras, os refrões”, disse a curitibana para o Menelick 2º Ato. “Me olhavam atentos, com cara de curiosidade. Muitos tentavam me acompanhar na dança e eu tentava ensinar o molejo brasileiro para eles, que sempre pediam bis. Foi de ‘lavar a alma’ chegar a um lugar tão distante e me sentir tão querida pelo público”, complementou a rapper que entre os dias 20 de junho e 27 de julho retornou ao velho mundo, em turnê de verão por países como Bélgica, Áustria, Alemanha, Suíça, Suécia, França e Inglaterra.


A "KAROL COM K"!


“Karol com k”! Assim o primeiro nome de Karoline dos Santos Oliveira era pronunciado em sala de aula pelos professores na hora da chamada a fim de evitar confusões com a outra Carol, com “C”, sua colega de turma. A identificação saiu do colégio, caiu na boca dos amigos do bairro e acabou pegando.


Nas terras geladas de Curitiba, onde nasceu em 1987, a artista desde muito cedo sinalizava que os holofotes seriam o limite. Quando menina dedicou-se ao balé, à dança contemporânea e à arte dramática. Nas aulas de teatro preferia as esquetes cômicas e arrepiava quando o assunto era promover o riso. O “problema” é que a “com K” também sempre gostou de: escrever.


Inspirada na mãe, poetisa, esboçou seus primeiros poemas a partir do momento em que aprendeu a dominar o ABC. Naturalmente “derrubava” as letras de canções internacionais e recriava as composições em nossa língua tupiniquim. “Eu escrevia versos desde os seis anos. Sempre escrevi letras e ficava cantarolando o dia todo, perturbando a minha mãe. Eu achava que seria uma cantora de MPB”, recorda-se. Inspiração maior para tornar-se uma das grandes vozes da Música Popular Brasileira não poderia haver, já que sua grande referência musical era Milton Nascimento, cantor e compositor responsável por arranjos dos mais complexos do gênero. “Ouvi muito Milton e sou apaixonada pelo trabalho dele. Foi para mim a figura do artista que me incentivou a começar a cantar. Minha formação musical foi samba e MPB, era isso que rolava na minha casa, era o que a minha família ouvia”, disse a bela, que mais tarde seria atraída pelos beats.


“Entrei no rap depois de ir a uma festa, quando eu tinha uns 16 anos. Aí eu percebi que era ali que eu queria estar. Me senti muito à vontade. Voltei minhas energias e rimas para as batidas”.


Se hoje, no som da casa da Karol não podem faltar nomes como Beyonce, Rihanna, Mykki Blanco, Chief Keef, Aluna Geroge, Tulipa Ruiz e Timbalada, a Mc não descarta investir em novos territórios. Fez escola na música brasileira e futuramente acredita poder dedicar-se a ela: “Não estou fechada para nenhuma possibilidade”.


O START


Oficialmente a carreira da rapper começou em 2002. Mas, foi em 2011 – momento bastante positivo para o rap nacional protagonizado por Criolo (com o lançamento do aclamado Nó na Orelha) e Emicida (com o álbum Doozicabraba e a Revolução Silenciosa), que ela mostraria ao mundo para que veio. O ano marca a estréia do videoclipe de Boa Noite, trabalho que causa frisson na rapaziada a cada entrada do coro feminino em loop mântrico aliado à base grave e pesada. Resumindo: chegou que chegou marrenta.


Na sequência vieram as 7 faixas do cd promo pelo Coletivo MTV em ligeiros 19m40s que demarcariam o espaço da artista na cena do rap nacional. Vale a pena ouvir. “Eu gosto muito de lembrar dessa fase mais caseira da produção em que eu escolhia os beats que achava que tinham a ver comigo”, diz. Para Karol o barato era a sensação do dever cumprido. “Me sentia muito bem por conseguir realizar mais uma track e disponibilizar meus raps na internet para quem quisesse ouvir”, lembra, contente.


SEM MESMICES


Karol quer remar contra qualquer assunto ligado à palavra feminismo. Considera “chato” e “desnecessário” repetir velhas fórmulas outrora usadas pelas mulheres no rap. Por isso, você não vai encontrar nas letras dela momentos de ode contra o machismo, mas, mensagens positivas que exaltam a necessidade de que o respeito impere. Sempre!


“Nem conheço muito o feminismo na teoria. Eu costumo dizer que defendo os direitos da mulher, sejam quais forem. A mulher tem que fazer o que ela quiser e essa liberdade não pode sofrer nenhum julgamento. Infelizmente isso é algo que ainda temos que debater em pleno século 21. Porque essa opressão velada faz com que muitas mulheres sofram por problemas graves em decorrência da baixa autoestima”, lamentou.


Mas, Karol concorda que há mais perigos no Brasil. “Se a gente somar ainda com o racismo, mais comum do que a maioria imagina, a situação só piora. E é isso que está nas minhas letras: a ideia de que não importa quem você seja, o mundo é seu, o mundo é meu também. Seja o que quiser ser, seja feliz e esteja bem com você”.


Agora a artista tem novos comparativos. As andanças pelo mundo vêm chamando a atenção da curitibana para todo o trabalho que ainda precisa ser feito aqui no país no que diz respeito à afirmação da negritude. “Acho que nos países em que estive o mais curioso foi ver negros em mais classes sociais. Posso estar errada, mas, me deu a impressão de que a segregação é menor por lá. Por mais que tenhamos negros bem sucedidos no Brasil, lá isso parece ser mais natural, não é algo incomum”, observou. “Vejo o Brasil neste caminho, mas, caminho que ainda parece longo demais”.


ELA POR ELA


Louco pensar que é negra e de um Estado tão “polonês” como o Paraná, a rapper cuja história é considerada curta para virar atração em folhetins de tantos países. Curitiba, por exemplo, sempre foi considerada celeiro de beatmakers. No entanto, até o “fenômeno Karol” aparecer ainda não havia despontado na capital um nome forte entre os MC’s. E ela quer mais, claro, para toda a sua turma. “O rap em Curitiba sempre foi forte e logo logo seremos reconhecidos também por nossos MC’s. Tento sempre fazer com que as pessoas de fora olhem para Curitiba com atenção para ver as coisas boas daqui”.


Se falar em feminismo é cair na “mesmice”, falar em feminilidade com a “com K” é sempre mais colorido e divertido. E isso porque ela abusa na produção! Até mistura o estilo old school de roupas largas e tênis no pé, mas, só se for com uma cintura alta bem marcada ou, com as pernas de fora na primeira oportunidade em que o céu se abrir. E acessórios! Dá-lhe acessórios. Sem economia!


“Eu nunca liguei muito para o que os outros estão pensando. A Karol de fora do palco é igual à Karol dos shows. Eu sou sorridente, alegre e piadista o tempo inteiro. Acho que é isso, eu sou feliz, me divirto com o que eu faço, com meus amigos, com a minha vida”.


Está toda feliz, mas, é difícil na queda. A artista até sai com os amigos para curtir uma boa pista, mas, no momento, não quer saber de azaração não. Tem fama de ser muito independente e há algum tempo está correndo de uma parceria afetiva. “Estou muito feliz e tranqüila nesse sentido. Continuo corrida e muito atarefada, preferindo me concentrar nessa nova fase”.


Quando encontra uma brecha na agenda aproveita para curtir Jorge, 8, seu filho. Passeiam pela cidade natal, ou, trancam-se em casa e apostam nas longas “sessões de fofurices” que praticam juntos, em família.


Sempre que pode, a rapper se “interna” nos beats. “Ouvir muita música é importantíssimo para buscar referências para meus próximos trabalhos”.


Se Karol, com sua saúde e beleza ímpar é o retrato do mais puro chocolate, é também ele o doce preferido da MC. “Amo doces, chocolate faz parte do meu ser”, confessou. Se tiver mão de mãe envolvida no assunto, então... “minha sobremesa preferida é o mousse de maracujá com chocolate da minha mãe”!




PARA SABER +
facebook.com/karolconka
twitter.com/Karolconka



PODERÁ GOSTAR TAMBÉM
ANGEL HAZE
AMANDA NEGRASIM
YZALÚ
CRIS SNJ
PAMELLOZA
FLORA MATOS
KAMILA CDD
NEGA GIZZA
DINA DI




NAYARA DE DEUS é jornalista e sommelier. Dedica parte da sua vida em busca do melhor equilíbrio entre vinhos, à audição e pesquisa de velhos e novos talentos musicais.

http://omenelick2ato.com/files/gimgs/379_karol-conka-fundo-azul.jpg
Intervenção gráfica sob a fotos da rapper curitibana Karol Konka no camarim da Clash Club, em São Paulo (Junho/ 2014).
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/379_karol-konka-site-8.jpg
Intervenção gráfica sob a fotos da rapper curitibana Karol Konka no camarim da Clash Club, em São Paulo (Junho/ 2014).