1960 + 2010

OS 50 ANOS DOS LIVRO QUARTO DE DESPEJO



Por Sidney Santiago
NOVEMBRO/2010



Uma Iansã louca que dançava na brasa de Xangô, usava colar de pérolas e tinha cerol na língua. "Quando agente tem fome a gordura fritando na panela é um espetáculo deslumbrante...”, dizia.


O que falar de Carolina Maria de Jesus?


Uma mulher negra favelada que escreveu um livro sobre a favela, ou uma catadora de papel que nas horas vagas resolvia escrever e seus escritos foram achado e publicados?


Nem uma das descrições acima me apetece. Carolina é muito mais, ela foi navalha que feriu profundamente os interesses do projeto nacional de invisibilizar a maioria. Carolina foi megafone ambulante, caixa de música e como todo artista que é genial, ela sangrou na avenida. Como materializar essa mulher que no auge dos anos 50 e 60 foi uma pedra no sapato de Juscelino Kubitschek e Jânio Quadros?


Certa vez Carolina disse: “O Brasil precisa ser dirigido por uma pessoa que já passou fome. A Fome também é professora”. (Pós Lula, seria Carolina também vidente?).O fato é que ainda optamos e preferimos a Carolina factóide, sofrida que nasceu em Sacramento (MG), mulher largada , mãe solteira de três filhos, vítima de todas as mazelas do país. Assim preterimos a criadora de imagens, a musa, a testemunha, a sonhadora, e damos sombra a uma voz que nos conta.


Nosso dever de casa e das futuras gerações é produzir e investigar a Carolina literata, a cirurgiã perfeita na elaboração de metáforas. E assim Carolina Maria de Jesus ocupará seu lugar de merecimento: ser ensinada como literatura brasileira em todas as escola do país.






Sidney Santiago é ator e um dos fundadores da Cia. de Teatro Os Crespos.


http://omenelick2ato.com/files/gimgs/150_carolina.jpg