HUDSON RODRIGUES EM P&B


Por Nabor Jr.
MARÇO/2012



No final dos anos 90, quando a Fotografia dava os seus primeiros passos rumo à popularização da manipulação digital, o ainda adolescente Hudson Rodrigues, hoje com 30 anos, influenciado pelo fotojornalismo e pelo contato que travou com a obra do fotógrafo húngaro Robert Capa (1913-1954), resolveu comprar sua primeira máquina fotográfica. “Quando fui ver, percebi que era muito caro. Não tinha grana! Ainda era época do filme”, recorda-se.


Os anos se passaram, mas o interesse pela fotografia não, e a primeira câmera veio, enfim, em 2007. “Quando eu a comprei já estava muito certo do que queria fotografar. Havia passado anos treinando meu olhar”, revela.


Natural do Jabaquara, zona sul de São Paulo, onde cresceu rodeado por influências, e referências, tipicamente urbanas, como o skate, o rap, o metrô e a atmosfera cinza que por vezes ronda as tardes da capital, Hudson, designer gráfico por formação é hoje, quase 15 anos após as primeiras recordações fotográficas de que tem lembrança, um sagaz cronista visual do cotidiano paulistano.


O período “forçado” em que se dedicou a observação da fotografia aliado a curta, mas intensa rotina dos últimos cinco anos como fotógrafo, renderam-lhe maturidade no olhar e uma evidente evolução técnica desde os seus primeiros disparos.


O que salta aos olhos nos seus registros é a sensibilidade que possui para materializar um dos mais cultuados gêneros da fotografia, o retrato.


A harmonia dos contrastes, luzes e composições, o jogo de sombras e tons, especialmente realçadas nas fotos preto e branco que faz, revelam através das lentes do fotógrafo, e da intensidade das imagens que produz, uma síntese quase sempre poética das belezas e tristezas “escondidas” na urbe paulistana e da pluralidade das pessoas que a compõe.


Ainda a procura de uma intimidade maior com a luz e por enquadramentos que dialoguem em consonância com seus personagens, Hudson está longe de ser um vanguardista. Mas em meio a avalanche de parafernálias digitais que multiplicaram o número de fotógrafos e de imagens em circulação, ele, que há tempos deixou o rótulo de amador, desponta como um fotógrafo que, tal qual o fotojornalismo que lhe despertou, merece ter a trajetória acompanhada, como notícia.





HUDSON RODRIGUES

flickr.com/photos/hudsonr

http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_12-site.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_5-site.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_9-site.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_2-site.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_3-site.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_1-site.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_4-site.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_img5930.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/65_img8416.jpg