NA BEIRA DA LAGOA


Por Nabor Jr.
FEVEREIRO/2011



"Anfíbio urbano.
Sujeito do dia, da noite e do mundo.
Da rua à sala de jantar.
Do museu à esquina de bar.
Um pato à beira da lagoa".


O paulistano André Monteiro, vulgo Pato, integrante do diminuto grupo de graffiteiros da cidade de São Paulo que tem vigor e repertório estético para atuar tanto nos muros e marquises da cidade como nas telas e murais de galerias e ateliês, é o autor da colorida e bem humorada ilustração que estampa a capa da edição 04 da revista O Menelick 2º Ato.


Artista plástico, grafiteiro, artesão. Pato é conhecido pela originalidade dos seus graffitis, invariavelmente coloridos e lúdicos, muitos dos quais podem ser vistos pelas ruas da Vila Madalena.


Multifacetado, quando artista plástico se destaca por suas telas (há quem compare a ludicidade de seus trabalhos ao do artista plástico Hélio Oiticica), quando artesão pela requintada tridimensionalidade de suas criativas engenhocas interativas. Criadas a partir de elementos como madeira, arame, elásticos de escritório, lata, prego e parafuso, as esculturas encantam pela agradável disposição de cores, riqueza de detalhes e a capacidade de agradar públicos avessos ao modelo de arte tradicional.


Com influências que vão do popular ao erudito, Pato já integrou o hyppado cast da Famiglia Baglione e coleciona exposições em lugares como MUBE (Museu Brasileiro da Escultura) e Ocontemporary, em Brighton, Inglaterra.


A proximidade entre o artista e a revista se estabeleceu a pouco tempo, em meados de setembro de 2010, especificamente durante a festa de inauguração de um ateliê na Vila Madalena. Lembro-me que conversamos pouco e bebemos muito, mas o suficiente para que amarrássemos uma parceria futura que culminou na bela capa da edição 04 da revista O MENELICK 2º ATO.


Quén Quén!



Nome
André Monteiro


Idade
34


Pato?
Ganhei este apelido no colégio, na época havia uma senhora que apelidou quase todo mundo da sala. Acabou pegando.


Quebrada
Vila Isa, desde que nasci. Zona Sul de São Paulo.


O que pensou em produzir para a capa da revista quando falamos sobre a utilização de elementos que remetessem ao carnaval?
Quando vocês me sugeriram este tema, logo me veio a idéia do bacanal. É a segunda vez que faço esta alegoria, a primeira foi na Bienal internacional de graffiti no MUBE. Vejo constantemente pessoas se valendo de sua beleza para se impulsionar na vida. Tipo carnaval o ano inteiro na terra da Gozolandia ou Em busca do "cálice" sagrado.


Depois de um ano dedicando-se ao Projeto Cidade Escola Aprendiz, onde você coordenou, e retomou, os projetos de graffiti da ONG, você deixou o projeto. Quais são os planos para 2011?
Uma coisa é certa, não trabalharei nunca mais com grafiteiros e pichadores!(sic). Foi um trabalho bem complicado porque o lugar estava um tanto "Terra de Ninguém" e tive que fazer política o tempo todo. No fim me ajudou tomar coragem para encarar a empreitada de somente produzir este ano. Sempre trabalhei com algo garantido para me sustentar, dá um pouco de medo, mas acho que demorou.


A fantasia e o humor são expressões latentes no seu trabalho. Você acredita que o lúdico ajuda as pessoas a entender melhor nossa sociedade? Porque?
Na verdade acredito que a metáfora, o alegórico e o lúdico, tiram o espectador da passividade fazendo-o refletir sobre questões que podem ser aplicadas a sociedade. Tais como: Vida e morte, sexo, família, amizade, etc... Muitas vezes obras consideradas ficcionais retratam de forma alegórica e porque não dizer crônica o comportamento daquela época.


Quais suas principais referências (independente da área de atuação dessas pessoas) para a produção de telas, murais, instalações e outros trabalhos artísticos?
Cresci lendo muito quadrinhos underground, Crumb, Angeli, Shelton,Glauco e etc. Vi muito desenho animado, Pica-pau, Tom e Jerry, Danger Mouse, Dom Drácula, entre outros. Hoje desenvolvi uma linguagem pessoal e consigo me valer dela para comunicar minhas idéias e reflexões.


Desde quando você tem afinidade com o 3D. Quer dizer, com a produção de trabalhos que envolvem madeira, martelo, prego?
Acho que desde de criança... Tive um tio avô que construía brinquedos com qualquer coisa, fazia o diabo com quase nada. Depois, fiz parte de um grupo de fantoche, trabalhei com cenografia, cinema, fotografia... Percebi que me atraia pela resolução criativa de traquitanas, engenhocas e gambiarras. Sempre gostei de animação o que me levou a algumas tentativas, comprei até uma câmera de cinema 16mm que uso até hoje. Com o tempo consegui desenvolver uma animação mais barata que são as caixas cinéticas que exponho.


Como foi integrar a 1ª Bienal Internacional Graffiti Fine Art, que rolou no MUBE, em 2010?
Foi uma honra. O mais legal foi passar diversas noites pintando em companhia de vários mestres.


Como você avalia o nível dos graffitis expostos nas ruas de SP? A banalização ou, a popularização desta manifestação descaracterizou o movimento? Ou, pelo contrário, o maior número de adeptos o fortaleceu?
Tem muita gente nova que pensa somente na quantidade e esquece a importância do estilo original. Fora aqueles desavisados que estão de passeio e alastram seus trabalhos por todos os lados, pintando ao lado de outros trabalhos bons só para aparecer na foto que vai postar no Facebook.


Como as pessoas podem ter acesso ao seu trabalho?
www.fotolog.com/patologico. Ou na Galeria Jaqueline Martins, na Vila Madalena, em São Paulo.


Alguma coisa que não lhe foi perguntada e que gostaria de dizer?
Não.





SAIBA MAIS

www.fotolog.com/patologico


http://omenelick2ato.com/files/gimgs/102_pato-site-11_v2.jpg
Intervenção sobre foto de Fernando Martins
www.flickr.com/photos/fernandomartins
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/102_ed-04-site_v2.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/102_pato-site_v2.jpg