O EXTERMINADOR DE MC´S


Por Nabor Jr.
Foto MANDELACREW
NOVEMBRO/2008



Antes sequer havia uma data. Passados alguns (muitos) anos, “ganhamos” um dia. Hoje, temos quase uma semana de eventos sendo realizados especialmente em homenagem ao Dia da Consciência Negra na cidade de São Paulo.

Sei que alguns acreditam que a data esta perdendo seu real sentido e ganhando caráter comercial (assim como tradicionalmente acontece com a grande maioria das festividades em paises capitalistas), outros dizem que a comunidade esta mais preocupada com o feriado do que com a simbologia da data.


Pois bem, falem o que for, o fato é que a juventude negra paulistana gosta, comparece e se esbalda (às vezes em demasia) nas centenas de eventos que pipocam pelos quatro cantos da cidade durante o período.


E foi justamente em uma noite dessas, precisamente na noite de quarta-feira (19), véspera do Dia da Consciência Negra, que junto com uns amigos, decidimos que na contramão das festas realizadas em São Paulo, iríamos no show do Emicida, que ia rolar em Santo André (cidade onde também rolou o feriado).


Chegamos ao discreto, porém animado Bar Tupinikim, já eram quase 1h da manhã. A princípio minha intenção era curtir o som e tomar umas com a rápa. Mas, como ia rolar Emicida, resolvi levar minha Canon e um bloquinho de anotações para uma eventual entrevista.


Noite vai, madrugada vem, uma cerveja aqui, um drink acolá, e a entrevista, mais em razão das minhas condições alcoólicas (que estavam começando a se manifestar), parecia que ia naufragar.


Mas, como se tratava de uma ótima oportunidade para o enriquecimento do blog, resolvi dar um breque. Sequei duas garrifinhas de água e fiquei de boas. Logo depois que acabou o show, já por volta das 3h, procurei o Emicida. Bastante cumprimentando após a apresentação, Emicida me atendeu sem frescuras. Inteligente, bem articulado e focado na carreira, o MC mostrou durante a nossa conversa as virtudes de quem vem, já há algum tempo, abocanhando as principais rinhas de MC´s do eixo Rio-São Paulo. Ao mesmo tempo em que deixou transparecer em alguns momentos, com risadas e brincadeiras, o seu lado jovem, afinal, apesar das letras maduras e da barba no rosto, Emicida tem apenas 23 anos.


De feirante e empacotador de supermercado (Sabia disso?), a um dos mais hábeis rimadores do país, Emicida falou ao O Menelick - Segundo Ato. Confira como foi.



FICHA TÉCNICA

Nome – Leandro
Idade – 23 anos
Formação – Designer Gráfico
Quebrada – Tucuruvi/ ZN
Rimas – há 10 anos


Início

Nunca me imaginei vivendo da música. Isso para mim é uma parada muito loca. Sempre pensei o rap como um hobby. Gostava muito de fazer letras e tal, mas nunca as mostrava pra ninguém. Mas chega uma hora que você fica meio sufocado. Você precisa que as pessoas vejam seu trampo, é até normal. Daí fui conhecendo pessoas, participando de rinhas, campeonatos e minha carreira começou a desenrolar.


Fora do Rap

Sou Designer Gráfico, mas já fui feirante, pintor, cobrador de lotação, artesão, catador de latinha, vendedor de hot dog, empacotador mercado, assistente de som e ilustrador. Antes da música minha idéia era trampar com desenho. Cheguei a participar de exposições e a ganhar alguns prêmios.


Hutúz

Optei por não participar este ano. Porque você acaba indo ali, indo aqui e fica sem tempo pra música e pros shows. Mas acho que é uma premiação importante. Precisamos de algo assim no Rap. Este ano estou torcendo pro Kamau, que tá concorrendo em várias categorias. Ano que vem espero estar lá também.


1º Disco

O disco vai chocar as pessoas. Digo chocar porque vai surpreender, as pessoas não estão esperando pelo que vão ver. Ele está sendo produzido pelo Felipe Vassão. O disco vai ser lançado em 2009, mas ainda não tem uma data definida. Antes disso, vou soltar uma Mix Tape no começo do ano que vem com as músicas que não vão estar no disco.


Levada Musical

Estou muito próximo do samba e isso vai refletir no meu disco. Tenho experimentado várias coisas. Quero fazer um disco com música brasileira de verdade.


Participações no álbum

Acho que serão duas participações. Uma de um mano do Pentágono, o Rael da Rima. Sou fã dele, ele é muito bom. A outra participação eu prefiro não falar porque ainda não tem nada definido.


Rap x $$$

Hoje consigo sobreviver do meu trampo. Minhas rimas me possibilitam que eu pague minhas contas e viva pra música.


Rap no Brasil

O Rap ainda não é visto realmente como um segmento musical serio pela maior parte da sociedade. Nosso movimento segue muito estereotizado, as pessoas não sabem o que é. Ainda pensam que é o mundo dos manos e tal. Mas como a gente ama essa parada, temos que arcar com as conseqüências dela também. Mas tamo ai pra mudar isso.


Internet

A Internet expandiu as informações e a possibilidade de você atingir diferentes públicos, mas ao mesmo tempo tirou a galera da rua. E o que manda é a rua. Utilizo a Internet mais para as pessoas saberem que estou vivo e produzindo. A Rua é Nois, este é o lema. Não podemos perder esse lance de acreditar na rua, porque se não for pela rua, não vai ser...A internet é apenas uma ferramenta. Fazer shows e estar no role continuam sendo fundamentais.
A Internet tem parte na culpa por um lance que vem acontecendo com muitos artistas. Na minha opinião, primeiro o artista tem que fazer shows, se apresentar aqui, ali, mostrar a sua cara, e depois lançar o disco. Mas os músicos deixaram de fazer isso. Hoje, primeiro eles lançam um, disco e depois vão pra rua fazer shows. Ai não rola!


Inspirações

A vida e o cotidiano é a maior escola que existe. São minhas grandes inspirações.


Improviso

Acho que o improviso esta no brasileiro. O povo brasileiro tem disso. É como aquele cara que vem de longe, não tem onde morar, não tem emprego e pega umas madeirites e faz disso a sua casa. O improviso é isso, se virar conforme a necessidade.


Nova geração

Tem gente muito boa. Mas esperava muito mais da minha geração. Tanto musicalmente como, principalmente, no que diz respeito à atitude. A gente que tá no dia-a-dia vê quem vive a parada mesmo.


EMICIDA

Fui eu mesmo que inventei, significa Enquanto Minha Imaginação Compor Insanidades Domino a Arte. Gosto deste nome, ele é forte, imponente e tal. Parece meio que o exterminador de Mc´s! (rs)





SAIBA MAIS

myspace.com/emicida


http://omenelick2ato.com/files/gimgs/136_emicida-black.jpg