TROMPETE SEM CONFETES

AS RAÍZES AFRICANAS DE EDSON IKÊ



Por Nabor Jr.
Fotos MANDELACREW
ABRIL/2011



Com uma produção gráfica voltada à temática afro e às culturas popular e jazzista, tendo como referência a xilogravura nordestina (da qual é praticante), a arte étnica africana, a cultura pop urbana e a rua propriamente dita; o trabalho que o trompetista e designer gráfico Edson Ikê, de 30 anos, vem projetando desde 1995 para capas de discos, livros, flyers e revistas, tem se mostrado um oásis de originalidade em vista das parcas possibilidades estéticas que a arte afro-brasileira tem sido refém no mercado editorial brasileiro.


Além do inegável talento e profundo conhecimento de causa, exemplificados em trabalhos ricos em referências de gênero para capas de discos, livros, flyers e revistas, mostrando que as possibilidades estéticas da arte afro-brasileira são infinitas, a resposta para o bem sucedido caminho que Ikê vem trilhando no campo das artes gráficas provavelmente esteja ligado a eterna fuga do lugar comum, característica peculiar no instinto de um grande artista . “Busco a simplicidade. Fujo de soluções e efeitos fáceis dos softwares e mergulho nos conceitos e na essência de cada trabalho”.



OM2ºATO - Fale um pouco de você, da sua trajetória profissional.
Edson Ikê
- Comecei nas artes gráficas fazendo fanzine, colagens. Sempre gostei muito das artes visuais. No movimento popular por moradia, fui aprendendo a fazer jornais, cartazes, revistas. No começo dos aos 90, vi um documentário sobre design de revistas de surf e decidi que seria essa minha profissão.


OM2ºATO - Principais produções
EI
- Fiz vários tipos de trabalhos. Trabalhei nas revistas Raça, Flash, Dcasa, Rap Brasil, além de trabalhos para ONGs e movimentos negro e hip hop. Minha história de vida se confunde com minha trajetória profissional. Estou construindo um portfólio voltado às ilustrações, usando a xilogravura como suporte, fundindo xilo e arte digital.


OM2ºATO - Defina a sua arte gráfica
IK
- Busco a simplicidade. Fujo de soluções e efeitos fáceis dos softwares e mergulho nos conceitos e na essência de cada trabalho.


OM2ºATO - Inspirações
IK
- Gosto muito das artes africanas, os grafismos, as formas, as esculturas. A produção do continente africano é bem significativa e importante pra mim. Entendo que os grafismos africanos tem um paralelo com as artes gráficas. Rubem Valentim neste sentido é uma fonte, por sua busca pela cultura afro-brasileira num contexto universal, inspirando-se nos grafismos indígenas e africanos, nos ritos e simbologia e ferramental do candomblé.


OM2ºATO - Referências
IK
- No design: Saul Bass, Jim Flora, Rafic Rafah, Milton Glaser e Victor Burton. Nas artes plásticas: Oswald Goeldi, Rubens Grilo, Gilvan Samico, J.Borges. Na música: os trompetistas Miles Davis, Kenny Dhoran, Lee Morgan, Woody Shaw, Barrosinho, Dizzy Gillespie, Wynton Marsalis e Louis Armstrong.


OM2ºATO - Música
IK
- Como músico/trompetista tenho um trabalho de sete anos na Uafro, conjunto que explora as vertentes da música negra, passando pelo rap, samba, funk, música latina e afrobeat. Tenho outro projeto que é o Conde Favela, que passeia pelo jazz, sambajazz, em parceria com rappers Bá Kimbuta e Raphão. Estou num projeto de arte circense que é a Meia Trupe, que pesquisa e explora o universo sonoro da música árabe, maracatu, música balcã, junto à performance de banda de fanfarra.


OM2ºATO - Politização/ Engajamento
IK
- Acredito que precisamos nos posicionar na sociedade e a arte é um instrumento poderoso de libertação. Meu trabalho reflete o que penso e a cultura afro-brasileira está sempre em evidência, seja num sentido de resgate ou como uma forma de diálogo e comunicação.




+ EDSON IKÊ

ensaiografico.com.br
myspace.com/uafrobanda
myspace.com/condefavela








entrevistas

http://omenelick2ato.com/files/gimgs/152_edson-ike2.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/152_edson-ike4.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/152_edson-ike3.jpg