MARIA

Por Nabor Jr.
Fotos Paola Vianna



Onde vais à tardezinha,
Mucama tão bonitinha,
Morena flor do sertão?
A grama um beijo te furta
Por baixo da saia curta,
Que a perna te esconde em vão
...

Mimosa flor das escravas!
O bando das rolas bravas
Voou com medo de ti!...
Levas hoje algum segredo...
Pois te voltaste com medo
Ao grito do bem-te-vi!

Serão amores deveras?
Ah! Quem dessas primaveras
Pudesse a flor apanhar!
E contigo, ao tom d'aragem,
Sonhar na rede selvagem...
À sombra do azul palmar!

Bem feliz quem na viola
Te ouvisse a moda espanhola
Da lua ao frouxo clarão...
Com a luz dos astros — por círios,
Por leito — um leito de lírios...
E por tenda — a solidão!

Castro Alves



Convidada para retratar por meio de imagens o poema “Maria”, do livro “A Cachoeira de Paulo Afonso” (compilação de poemas do poeta Castro Alves), a fotógrafa paulistana Paola Vianna, assim como Alves, artesão das palavras e principal expoente da terceira geração da poesia romântica brasileira, também procurou transformar a realidade e questioná-la em profundidade. Afinal, quem és tu Maria?Da ousadia de Vianna emanou luz e sobriedade. Do poema, sensualidade, desejo e discrição. É o prenúncio do realismo pelos olhos e lentes de quem flerta com o pós-humano.



O POETA DOS ESCRAVOS

Por seu entusiasmo frente as causas de liberdade e justiça (acima de tudo contra a escravidão), o baiano Antônio Frederico de Castro Alves, talvez o maior poeta romântico que o país já conheceu, ficou conhecido como o “Poeta dos Escravos”.Nasceu em 14 de março de 1847, na Vila de Curralinho, na Bahia. Faleceu em Salvador, no dia 6 de julho de 1871.Sua obra poética pode ser subdividida em duas vertentes: lírico-amorosa e poesia social, através da qual conseguiu despertar um espírito crítico diante das consciências que notadamente desejavam o fim da escravatura.









NOTAS DE RODAPÉ

O livro “A Cachoeira de Paulo Afonso” foi publicado em 1876, cinco anos após o falecimento de Castro Alves. A obra é composta por 33 poemas que, no conjunto, constituem uma sequência narrativa, mas que também podem ser lidos separadamente.



PARA LER

Aspectos da literatura brasileira
Mário de Andrade
1972


Castro Alves – Retrato falado do poeta
Diretor: Silvio Tendler
1999


Poesia e oratória em Castro Alves
Antônio Cândido
2009



POESIA LÍRICO-AMOROSA

Conserva resquícios do subjetivismo cultuado pelos poetas da segunda geração, contudo, a figura da mulher já não é mais idealizada, intocável, e sim vista por um plano mais realista, resultante de um amor materializado.


POESIA SOCIAL

Denúncia e insatisfação frente ao cenário político da época, mais precisamente da escravidão brasileira.



FICHA TÉCNICA ENSAIO

Modelo: Xênia França
Estilista & Stylist: Priscilla Young
Make up & Hair: Clovis Pedroso
Ass. Fotografia: Thais Jatene
Making Off: Daniel Bernadinelli


http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia.jpg
FOTOS PAOLA VIANNA
paolavianna.com.br
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia-3.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia-1.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia-13.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia-10.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia-11.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia-7.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia-5.jpg
http://omenelick2ato.com/files/gimgs/29_site-xenia-6.jpg